A história das abelhas do meu pai . É uma história muito engraçada.

Certo dia, apareceu um enxame na chaminé da casa do meu tio Ramiro. O meu pai, ao descobrir o enxame disse ao meu primo Vitor de Santa Cristina, para o vir ajudar a tirá-lo.
Eles para tirarem o enxame vestiram um fato branco com uma máscara com rede e calçaram umas luvas. Então, subiram ao telhado com um núcleo, isto é, uma colmeia das pequeninas. Fizeram fumo e bateram na chaminé para elas sairem, mas elas não quiseram sair. Então, o meu primo Vitor, começou a tirá-las à mão para a pequena colmeia. Mas, ao tirar as abelhas, algo correu mal porque mataram a rainha.

Então, o meu primo dividiu as abelhas por duas pequenas colmeias, e foi às suas colmeias, a Santa Cristina, buscar criação, ou seja quadros com ovos de abelhas e mel para as pequenas colmeias. Assim, as abelhas com aqueles ovos, criam uma nova rainha. O mel é para elas comerem porque não podem ir às flores buscar comer porque não têm rainha para lhe dar ordens. Agora, já devem ter rainha, porque já se vêm a sair da colmeia e a entrar com as patas brancas ou cor-de laranja para a colmeis. Andei eu mais o meu pai a limpar quadros e a por cera nova. Limpámos também a nova casa para elas, porque elas já estão apertadas na pequena colmeia.

Agora que já estão na casa nova e têm uma boa rainha e começaram a trabalhar para fabricarem o mel. Agora o meu pai mais o meu primo Vitor, já deixaram tudo preparado para este ano. Só voltam a mexer nas colmeias quando forem tirar o mel.
Eu estive sempre presente nestes trabalhos.

Cristiana Neves( 4º-ano )
publicado por ruipampilhosa às 11:29
link do post | comentar | favorito